terça-feira, 3 de abril de 2012

SALÁRIO NOMINAL E SALÁRIO REAL

Dado que o salário é geralmente o principal rendimento auferido pelas famílias, é o salário que determina o consumo dessas mesmas famílias.


Desta forma, é conveniente distinguir entre salário nominal e salário real.
O salário nominal é a quantidade de moeda que o trabalhador recebe como resultado do seu trabalho.
Com o salário que aufere, o trabalhador vai pagar os bens e os serviços de que necessita (alimentação, vestuário, habitação, saúde, transportes, etc.).
O salário real traduz a quantidade de bens e serviços que o trabalhador pode adquirir com o seu salário nominal, ou seja, traduz o poder de compra do trabalhador.

O salário real depende do nível geral dos preços, pois se o salário nominal se mantiver inalterável:
- um aumento do nível geral de preços, provoca a diminuição do poder de compra;
- uma diminuição do nível geral de preços, provoca o aumento do poder de compra.
Também pode acontecer que, apesar de o salário nominal aumentar, se verifique uma diminuição do poder de compra. Isto acontece quando o aumento do salário é inferior ao aumento dos preços.
Se o aumento do salário for superior ao aumento dos preços, então verifica-se um aumento do poder de compra.

Confuso?
Vejamos um exemplo:
Consideremos que, num determinado ano, um trabalhador ganhava 1500 € sendo a taxa de inflação, nesse ano, de 5%.
Para que o poder de compra do trabalhador se mantenha no ano seguinte, o seu salário deverá ter um aumento igual ao dos preços, passando a ganhar 1575 € (1500 + 1500 × 0,05 = 1575).
Supondo que o seu salário aumentava para 1560 €, o poder de compra do trabalhador iria diminuir, pois neste caso o aumento do salário seria menor que o aumento dos preços.
Mas se o salário do trabalhador passasse para 1590 €, então o seu poder de compra iria aumentar, pois neste caso o aumento do salário seria superior ao aumento dos preços.